Costuras da Semana!

Olá!

Gente, a semana passada voou pra mim! Aliás, eu já disse em outros posts que sinto como se estivesse sendo atropelada por 2015. Às vezes por bem, às vezes por mal.

Enfim, entre uma coisa e outra para resolver, fui correndo atrás das minhas costuras. Na aula de Patchwork terminamos a base com bolsos para a minha overloque.

Base com bolsos pronta!

E a Encantada com capa, adorando montar chevron de formas diferentes!

Agora não vou mais precisar procurar as coisas dela (como pinça ou agulhas) nos bolsos da base da Novinha!

O projeto agora é um porta base de corte e régua, sempre tão difíceis de guardar por conta do tamanho. Já estou pensando onde vou colocar a minha peça, acho que colocarei na lateral da mesa de corte ou então atrás da porta.

Em casa, tive tempo para cortar uma blusa nova e começar a costurá-la, mas ainda não consegui terminar.

Composição bonita na hora de escolher linha para costurar a blusa nova!

Na aula do Senac, começamos a colocar a mão na massa! Já alfinetei uma “boneca”, entre outras coisas legais, e estamos começando a traçar a primeira das bases do curso. Fico super cansada no final, por conta das horas seguidas de aula, mas muito satisfeita!

#estudakatiaestuda

Por enquanto é isso, mas continue ligado aqui no blog, pois nesta semana tenho uma novidade muito legal para contar!

Beijos e boas costuras!

Voltei a dar aulas! Primeira parada: Sesc Ipiranga
5 Anos de Blog – Minha Manta de Retalhos está de volta!
Meu Ateliê – Organização de tecidos

Olá!

Tem tempo que eu conto aqui no blog que comecei uma arrumação profunda em meu quartinho de costura. Vai levar tempo para que eu possa mostrá-lo inteiro e pronto, mas uma etapa importante foi concluída há alguns dias: a organização dos meus tecidos.
Este assunto vai puxar mais alguns outros posts e acho que é legal mostrar no blog antes mesmo que meu ateliê fique pronto.
Depois que eu arrumei coragem para organizar todos os meus tecidos, o processo foi muito bacana. Então lá vai:

1. Definir onde os tecidos ficarão guardados
Eu já guardava os meus tecidos em caixas plásticas (todas iguais) numa prateleira da minha mesa de corte faz tempo, mas eles nunca estiveram realmente organizados.

A primeira parte foi definir quais tecidos iriam em cada caixa. Dividi em quatro caixas: algodão nacional, algodão importado, malhas, diversos. Têm mais outras quatro caixas que dividem espaço com elas: patchwork, ajustes e consertos, retalhos, revistas. As caixas de tecido também foram numeradas de 1 a 4.

2. Catalogar os tecidos
Comecei a abrir cada caixa e medir quanto eu tenho de cada tecido. É chato no começo, mas depois é só incorporar a rotina a cada tecido novo que chega e tudo ficará mais rápido.

Recortei um quadradinho de cada tecido e colei num cartão que contêm:
* Número da caixa
* Descrição do tecido
* Altura
* Largura
* Espaço para grampear o tecido

OBS: Aproveitei também este momento de catalogar tudo para listar as revistas que tenho na caixa e fiz uma planilha no Excel para saber o que está lá dentro.

3. Definir uma quantidade mínima
Se o tecido tem menos de meio metro e é de algodão, mandei para a caixa de Patchwork. Na caixa de retalhos, encontrei tecidos com mais de meio metro de altura, então eles foram para as caixas correspondentes.

4. Guardar os tecidos e cartões com amostras
Aproveitei esta revisão toda para tirar etiquetas (a cola pode manchar o tecido) e cortar fiapos daqueles compridos. Depois de medidos e catalogados, os tecidos estão em suas respectivas caixas e os cartões de cada caixa também são guardados juntos. Quando eu tenho um novo projeto de costura, recorro aos cartões e assim já defino o tecido para usar. No fim do projeto, se sobrar tecido, eu atualizo o cartão com a metragem atual.

Foi trabalhoso, mas agora está muito mais fácil costurar, fora que nenhum tecido fica esquecido!
Que tal? Animou para deixar seus tecidos organizados?

Beijos!

Top Posts de 2015!
Eu, pelas lentes da Sharon e a chegada aos 36 anos.
Meu quartinho de costura

Olá!
Há um ano atrás, eu “inaugurava” meu quartinho de costura como ele é hoje, um canto todinho pra mim, onde passo um bom tempo da minha semana e sou mais feliz.

Este era um cômodo que foi pensado como escritório, por isso tem uma mesa em “L” feita para acomodar computador, impressora e afins. Depois, como a bagunça começou a invadir o lugar, meu pai fez um armário com prateleiras e gavetas para organizar o que fosse possível, mas de forma que no futuro poderia virar facilmente um guardarroupas. Ou seja, o quartinho foi eleito na verdade para ser o escritório enquanto não virasse um quarto de bebê. O “escritório-enquanto-não-vira-quarto-de-bebê” virou mesmo um depósito de bagunças variadas porque era fácil tacar tudo lá dentro e fechar a porta na hora da correria ou da falta de paciência.

E assim o quartinho ficou, descontrolado por 5 anos, até a hora que Velhinha chegou em casa, com seu pé de ferro e móvel de madeira que não são nada portáteis. Abri uma “clareira” na bagunça, virada pra janela, suficiente apenas para caber a máquina e aproveitei a cadeira de rodinhas do pseudo-escritório para costurar.

Com o gosto pela costura aumentando e o bebê que até hoje não veio, ano passado resolvi “tomar” o quartinho para mim e levou um bom tempo para organizar tanta tralha, deve ter levado mais de um mês, sendo que muita coisa virou lixo reciclável. Toda semana saía um sacão de coisas para a Coleta Seletiva, incrível como tinha tanta coisa acumulada e sem utilidade!

Em uma tarde, limpei a parede da janela e depois de secar, a decoração de bolinhas douradas feitas de etiquetas redondinhas compradas na Kalunga surgiu. Comecei a pintar de branco a janela escura (onde eu estava com a cabeça em 2006, meu Deus?!), mas até hoje não concluí. Aliás, estou pensando seriamente em mandar ver no spray pra me animar a concluir isso rápido!

Os quadrinhos encontrados na bagunça viraram molduras para os retalhos dos primeiros tecidos costurados, um porta retratos da época da formatura do marido voltou para a parede, um pedaço de Contact transparente também foi pra parede e virou lousa e tudo começou a entrar nos eixos.

Hoje em dia ainda tem um PC atrás da Novinha esperando seu backup antes de ser formatado e doado e algumas caixas embaixo da mesa, mas nada disso atrapalha o uso do quartinho, só não o deixa mais bonito.

Quando o meu pai veio montar as prateleiras para os livros e a mesa para cortar tecidos foi uma delícia! Lembro que parei tudo o que estava fazendo na época para retomar apenas quando o meu quartinho estivesse todo organizado. Foi uma maratona de uma semana! E numa 6a feira de maio, meu quartinho de costura oficialmente nasceu.

Não é nada perfeito como os ateliês que a gente vê em sites de decoração ou no Pinterest, mas é o canto da casa que eu mais curto hoje em dia, que tem mais a minha cara e lá eu posso surtar e deixar as coisas como eu quiser, tipo “marido não entra”, rs! E ele me apoiou muito para isso, só tenho a agradecer!

Deixo então as fotinhos lá de cima, de quando comecei a dar um trato no quartinho e estas da montagem daqui de baixo, tiradas “no final do expediente” de 6a feira passada.

Seja bem vindo!

Um beijo!

Voltei a dar aulas! Primeira parada: Sesc Ipiranga
Um novo armário handmade para uma nova fase
Katia Linden
Sou de São Paulo, publicitária de formação e várias outras coisas por admiração e escolha própria: tatuada, amante de música, viciada em Grey's Anatomy e Game of Thrones, esposa, dona de casa, costureira, modelista, consultora de estilo e (também, ufa) autora deste blog.
Sobre o Blog ⟩
Newsletter

Assine a minha newsletter e receba novidades exclusivas por e-mail!

Insira apenas letras e espaços. Min. 2 caracteres.
Insira apenas letras e espaços. Min. 2 caracteres.
Email inválido.
Insira apenas letras e espaços. Min. 2 caracteres. (Obrigatório!)
keyboard_arrow_right
close
Vencendo a minha maior resistência: vender!
Sobre Florescer em Pleno Inverno