Voltei a dar aulas! Primeira parada: Sesc Ipiranga

Pois bem, quem me acompanha por aqui sabe que eu estive estudando bastante para voltar a trabalhar. Era um grande passo empreender novamente depois de alguns anos “curtindo”. Coloco entre aspas pois eu aprendi muita coisa, em uma fase muito despretensiosa em termos profissionais, mas que vi depois que podia ser reunida num mix profissional único e só meu. Contei um tanto sobre esse processo de transformação e estudo aqui, quando apresentei a minha nova marca.

Dentro deste mix, estava sim o plano de voltar a dar aulas. Para mim, passar conteúdo adiante é uma oportunidade única de aprender ainda mais, de estar em contato com pessoas de vivências diversas mas interesses semelhantes, de passar adiante o caráter terapêutico das costuras e das manualidades.

Aulas no Sesc Ipiranga

Em agosto, um mês especialmente difícil para mim, pois eu já estava doente, recebi o convite do Sesc Ipiranga para dar um curso de costura de dois meses no Programa de Trabalho com Idosos que esta unidade desenvolve. Por eu estar muito mal, quase recusei, mas sei que recebi um empurrãozinho dos céus vindo do meu pai dizendo “topa, minha filha, até outubro vai estar tudo bem”. E foi o que eu fiz.

Aos trancos e barrancos desenterrei meu CNPJ e me cadastrei no Sesc, desenvolvi o conteúdo, com projetos rápidos e fáceis de executar, pensando em decorar a casa ou mesmo presentear na época do Natal.

Outubro chegou, o pior do furacão já tinha passado. No primeiro dia de aula (depois de três anos sem dar aulas) eu estava super nervosa. Mas foi conhecer a turma e começarmos a colocar o primeiro projeto em execução que eu me senti em casa de novo!

Esse retorno me fez lembrar das minhas capacidades, do meu amor pela costura em um ano em que mal cheguei perto da minha própria máquina, de como adoro ensinar. E assim seguiram os encontros, de outubro a dezembro!

Os projetos

As garotas fizeram almofada em forma de nuvem com pompom, capa de almofada transpassada, bolsa forrada, lenço dupla face, caminho de mesa com aplicação, aprenderam a fazer canto mitrado numa toalha de chá. Tudo em horas que passavam rapidinho! Aqui na galeria de fotos estão alguns momentos registrados ao longo dos encontros!

O mais legal é que alguns projetos foram ganhando bordados, aplicações, crochês, tudo por conta própria das garotas! Quer coisa mais legal do que juntar as habilidades que a gente tem para deixar os projetos mais ainda com a nossa cara?

Agradecer, sempre!

Sempre vou lembrar com carinho desses dias, dessa retomada num momento tão importante da minha vida! Agradeço a todas as participantes e também à Nathalia (e toda a equipe do Sesc Ipiranga) pela oportunidade!

E assim estou de volta, logo volto com mais novidades!

Bora costurar bastante em 2019?

Sobre Florescer em Pleno Inverno
Vencendo a minha maior resistência: vender!
Um novo armário handmade para uma nova fase

Aiai… como é bom escrever sobre 2018 referindo-se a ele assim: no passado, rs! Eu tive um ano muito intenso. Em um determinado momento vi que, se eu não cuidasse do meu equilíbrio físico, mental e espiritual, eu ficaria ainda mais doente.

Explico: no começo do ano passado eu fui diagnosticada com gordura no fígado em nível moderado. Meu médico pediu na época que eu emagrecesse 20 quilos. Logo de cara, como eu pouco mudei os meus hábitos, eu não consegui. E não tem jeito, é gordura, tem que queimar e não deixar acumular mais. A diferença é que não está lá visível como uma pancinha, pneuzinho e tal…

Vieram os acontecimentos de junho em diante e eu fiquei muito mal fisicamente. Não conseguia comer ou comia e passava mal. A depressão e as crises de ansiedade ameaçaram a minha saúde por alguns meses. Ficaria um post inteiro aqui descrevendo os sintomas, mas vou me ater a dizer que perdi 8 quilos sem saúde nenhuma. Tanto é que eu repeti os exames e a condição do meu fígado não tinha mudado. Aí eu vi que tinha que fazer algo por mim. Fui caminhar com meus cachorros (no começo foi difícil pois me sentia muito fraca, mas depois peguei o embalo), cuidei da minha alimentação. Minha família me ajudou demais nesse processo, assim como algumas amigas maravilhosas também.

Perdi até agora (e espero não mais encontrar, hahaha) 18 quilos. Sendo os 10 últimos com mais saúde. Os últimos exames que fiz já mostram uma condição bem melhor. Ainda não estou 100%, mas em 2019 eu sei que chegarei lá. Passei a me sentir mais disposta e mais feliz por estar bem fisicamente. E não teve como isso não se refletir no exterior.

Cabelo novo

Isso tudo estava acontecendo e eu não me reconhecia mais ao me olhar no espelho. Em agosto eu já tinha ficado loira pois não estava mais com cabeça para manter o cabelo rosa. Em outubro, o mês da virada, eu cortei o cabelo. Foi só o corte, nem mexi na cor. Mas parece que, daquele dia em diante, eu me encontrei de novo fisicamente.

Voltei a usar batom vermelho (a melhor transgressão da minha cartela de cor totalmente fria e opaca, rs), salto alto, roupas mais curtas ou mais ajustadas ao corpo. Sei lá como explicar, essa mulher nova que estava pedindo para sair pro mundo faz tempo finalmente apareceu. Mais segura, mais livre, mais feliz.

Cabelo novo, a volta do batom vermelho e a blusa de seda mais amada!

Roupas novas (só que não)

Passei a olhar com outros olhos para o meu armário. Resgatei peças que não me serviam há tempos ou que eu não tinha mais vontade de usar, mas que ainda estavam lá dentro. Comecei a fazer novas combinações. E tenho colocado sempre que lembro (rs) nos Stories do meu Instagram.

Aqui vão algumas fotinhos de looks, algumas clicadas no espelho mesmo, sem complicação. Pois se tem uma coisa que eu prezo hoje em dia é que as coisas fluam sem complicação, sem produção demais!

(Clique em uma das fotos para ver em tela cheia)

Um armário para a vida nova e vida real

Como eu contei nos Stories dia desses (já me segue lá no Insta? É o @katialinden), esse exercício meu de postar looks da vida real, cheio de repetecos e peças que já tenho faz tempo no armário (lembra que não costurei uma roupa nova sequer em 2018 e tricotei algumas peças apenas?) me faz pensar como eu vivo em paz com meus princípios.

Eu faço o que amo, valorizo o que tenho (usando muito o que tenho, inclusive). Esse momento de mostrar as peças é mais sobre ser testemunho de que é possível construir algo com as próprias mãos, para usar muito e de acordo com a vida que a gente leva.

Não nasci para ter uma “vida de blogueira” apesar de ter este cantinho aqui como o meu diário de bordo, como sempre digo. Prezo demais por um estilo de vida feito à mão (pode ser pelas minhas ou pelas mãos de outras pessoas), que caiba dentro da minha realidade e me deixe feliz. Assim consigo passar minha mensagem adiante, seja aqui pelo blog, pelas redes sociais ou através das aulas ou consultoria.

Passar toda esta etapa a limpo por aqui me ajuda a dar os passos seguintes, pois tem muita ideia boa para ganhar o mundo!

Beijos e até logo menos!

A volta às costuras depois de um ano
Voltei a dar aulas! Primeira parada: Sesc Ipiranga
Bordados da resiliência

Foram meses reclusa, vivendo e absorvendo as perdas que sofri. Chego no dia de hoje, em meu aniversário de 39 anos com muitas saudades do meu pai e criando uma nova rotina para mim, para meus cachorros e para a minha casa após me separar do Ricardo. Em algum momento, depois de mais algum distanciamento, talvez eu falarei algo mais sobre esta última parte. Por enquanto, só queria dizer que eu estou bem, de verdade.

Foi tanto tempo longe daqui do blog, no que diz respeito a contar o que tenho feito, que não sabia nem por onde começar. Resolvi então agrupar por assunto para colocar em dia e o primeiro deles é o bordado.

De algum jeito que eu não sei explicar, quando não estou bem eu paro de costurar. As últimas peças que costurei foram as capas novas para as almofadas da sala, em março (sendo que Luke fez o favor de rasgar uma delas, que preciso refazer).

Nos últimos meses acabei focando mais no tricô e nos bordados. Provavelmente por serem crafts mais portáteis e também porque fiz algumas vendas de peças tricotadas e me expressei muito através do bordado, que escolhi desde o começo do ano como a manualidade que eu queria dar mais atenção.

Bordados da Resiliência

Aos 39 anos, me vejo uma mulher mais madura, ciente da minha realidade e de quem está à minha volta e que eu posso contar. Não dizem que na hora do perrengue é que a gente sabe quem está de verdade ao nosso lado? Pois bem, apesar de reclusa eu não estive nada sozinha e sou muito grata por isso!

Eu, minha mãe e meu irmão estamos mais próximos do que nunca. Tenho amigas de toda uma vida ao meu lado, algumas delas que fazem parte da minha família e caminhamos juntas desde que nascemos. Outras pessoas se tornaram igualmente especiais mesmo tendo entrado na minha vida muito recentemente e a elas eu sou muito grata também. Nem preciso citar nomes, sei que quando elas estiverem lendo este texto irão se reconhecer nele. Todas essas pessoas fazem parte do meu processo de cura e, porque elas me levantaram quando precisei, agora eu estou de pé e só tenho a agradecer.

Pois bem, em uma das paredes de casa onde ficavam fotos do casamento, uma placa personalizada do carro que foi emoldurada e um pôster assinado pelos convidados, resolvi colocar os meus bordados dos últimos tempos. Enquanto bordei, também busquei a minha própria cura. Para mim, este momento de colocar os bordados juntos nesta parede representou a tomada da casa como sendo só minha, representou o começo de uma nova etapa, com 100% a minha cara. A casa que tinha memórias de um casal que foi feliz junto por algum tempo agora está recebendo novas memórias de uma mulher independente, feliz e que vê a vida com outros olhos.

A questão de me encontrar verdadeiramente como mulher e como uma pessoa livre, que existe além de um longo relacionamento, já estava rolando em minha vida há algum tempo. Recuperei uma autoestima que ficou guardada numa caixinha muito pequena por anos. Hoje eu me vejo muito capaz de cuidar da minha vida sozinha, da minha saúde que ficou bem afetada nos últimos tempos, da minha nova carreira que eu tanto planejei e que saiu totalmente do cronograma (e tá tudo bem isso, estou correndo atrás como nunca).

E assim, nesse exercício de viver uma nova vida, livre em vários sentidos, vou mostrar essa nova parede que ainda precisará de uns reparos e pintura por conta dos antigos furos de pregos, mas cheia de expressão de capacidade (como eu evoluí no bordado em 2018, viu?!) e de amor próprio!

Novas lembranças reunidas!

Primavera de 83

Como eu contei aqui, eu e a Andrea Oruê nos conhecemos pessoalmente só em 2018, mas nosso contato pelas internets é bem mais antigo! Com ela fiz bordados muito significativos, como o lenço dos não namorados em junho, em que desabafei sobre a fase difícil que eu estava vivendo no meu casamento, bordando uma frase que vi no Lemonade (da rainha Beyoncé) com palavrão na minha letra cursiva fofa bem redondinha e borda de crochê.

Lenço dos não namorados

Os craft hours viraram compromissos mensais imperdíveis e renderam mais bordados lindos, feitos num ambiente da energia maravilhosa e que renderam mais novas amizades!

O bordado recém chegado na parede é este abaixo. A Dea produziu lindas peças em uma série chamada Semente e uma delas veio morar aqui em casa neste último domingo. Resolvi me dar este bordado de presente de aniversário, tão cheio de amizade e significado! Amo o trabalho da Dea e é uma alegria imensa tê-la como amiga!

Semente

Clube do Bordado

Voltei a bordar neste ano fazendo o Módulo 1 do Clube do Bordado (contei aqui). Agora esse bordado da retomada também mora na parede.

Fiz um curso mais extenso no MAM com a Renata, o conteúdo era incrível! Aprendi mais pontos e até mesmo bordado em pedraria e um pouco de tapeçaria. Esse bordadinho do amor próprio é resultado de uma das aulas, assim como o bordado da minha nova marca, que foi o meu projeto pessoal de conclusão do curso.

A bandeira com a moça de cabelo rosa também é do Clube e marcou a despedida da fase do cabelo rosa, que tão bem emoldurou a minha pessoa nos últimos anos. O desafio maior foi bordar a concha em ponto cheio e com linha metalizada. Amo demais o resultado!

O bordado mais antigo

Fiz esse bordado em ponto cruz há anos, logo que montei o ateliê aqui em casa, bem antes do blog existir. Agora vejo que o melhor lugar dele é junto com os outros, pois continuo acreditando no que ele diz.

Uma ilustração

Conheci o trabalho da Pri Barbosa recentemente e me apaixonei de cara. Trouxe esta ilustração de uma das edições do Jardim Secreto e ainda estou com dó de deixar fora do plástico, rs! Então ela também está na minha parede da resiliência através do craft pois não merece ficar guardada!

 

Outros bordados foram feitos, tem bordado ainda sem terminar. Sei que no futuro esta parede estará ainda mais preenchida, aí eu mostro de novo, sem falta!

 

Que saudade eu estava do blog!
É um presente enorme para mim retomá-lo no dia do meu aniversário!

Seguimos bem e seguimos juntas, certo?

Sobre Florescer em Pleno Inverno
Craft Hour da Primavera de 83 e um bordado pro cantinho do café!
Katia Linden
Sou de São Paulo, publicitária de formação e várias outras coisas por admiração e escolha própria: tatuada, amante de música, viciada em Grey's Anatomy e Game of Thrones, esposa, dona de casa, costureira, modelista, consultora de estilo e (também, ufa) autora deste blog.
Sobre o Blog ⟩
Newsletter

Assine a minha newsletter e receba novidades exclusivas por e-mail!

Insira apenas letras e espaços. Min. 2 caracteres.
Insira apenas letras e espaços. Min. 2 caracteres.
Email inválido.
Insira apenas letras e espaços. Min. 2 caracteres. (Obrigatório!)
keyboard_arrow_right
close
Vencendo a minha maior resistência: vender!
Sobre Florescer em Pleno Inverno