Moldes Colette Patterns

Olá!
Aproveitando o assunto do vestido que fiz usando um molde da Colette Patterns, esse post iria entrar no ar depois que o “livro do mês” da mesma editora entrasse no ar. Mas como um projeto ficou pronto antes do outro, vou começar por aqui mesmo…

No site da Colette Patterns estão à venda alguns moldes em versão PDF (assim você pode imprimir em casa logo em seguida da compra) ou na versão impressa, que eles mandam por correio.

Você pode filtrar por projetos para iniciantes, intermediários ou avançados ou por tipo de peça (Vestidos, Lingeries, Masculinos, etc).

Eu e a Ana compramos esses dois moldes aqui, o vestido Crepe (transpassado e com um laço atrás, que eu fiz recentemente) e o vestido Laurel (mais retinho e básico, que acompanha um suplemento com sugestões de variações do modelo. Este vestido ainda não fizemos), ambos em PDF para impressão.

Vestido Laurel
Dificuldade: Iniciante
Preço: US$ 18 para envio do molde impresso por correio ou US$ 14 para receber um PDF e imprimir em casa.

Vestido Crepe
Dificuldade: Iniciante
Preço: US$ 18 para envio do molde impresso por correio ou US$ 14 para receber um PDF e imprimir em casa.

Na barra à esquerda do site tem um item “free downloads”. Eu já baixei todos os disponíveis, quem sabe um dia eu não me animo em fazer a calcinha vitoriana “Madeleine” ou a regata 60’s “Sorbetto”?

A vantagem de comprar moldes assim é que a gente não fica naquela ansiedade esperando o correio passar e deixar um envelope lindo na caixinha. Por outro lado, a gente tem que imprimir todas as folhas (no meu caso, a impressão é feita em gráfica rápida, já que faz tempo que não tenho impressora em casa) e depois uní-las, o que dá um certo trabalho e quase vira um tapete para a sua sala (brincadeira):

Antes: Molde do vestido Crepe, enfeitando o chão da minha sala.

Para facilitar na hora de guardar, eu separei todas as partes do molde (resumindo: corta, cola, corta, cola, corta, cola, admira o molde montadinho no chão da sala, corta, corta, corta, dobra, guarda).

Mas acontece que eu comprei o molde em janeiro, imprimi logo na gráfica rápida e emendei tudo no dia seguinte. E fui mexer no tal vestido em maio. Ou seja, já que eu não fiz logo em seguida, eu poderia ter comprado a versão impressa e o correio com certeza já teria entregue de lá pra cá. Bom ponto para pensar, né?

Os modelos das peças são muito bonitos, e os moldes acompanham instruções bem explicadas.

Por exemplo, o molde do Crepe veio em um PDF com 83 páginas, tamanho A4, sendo que da página 21 em diante são as “pecinhas do quebra-cabeça” do molde a ser montado.

Nas 20 páginas iniciais, estão:
– Apresentação do modelo com fotos,
– Versões que você pode montar do vestido (são duas opções de decote e aplicação de um tecido diferente na faixa da cintura)
– Materiais e ferramentas necessários para executar o projeto
– Tabela com medidas para você encontrar o seu tamanho entre os 10 disponíveis
– Tabela para calcular quanto de tecido você vai precisar (para as larguras de 1,15m e 1,40m),
– Tabela para demonstrar qual o tamanho da peça terminada para cada tamanho da grade,
– Tecidos recomendados,
– Instruções de montagem do molde,
– Como encontrar e tirar o seu tamanho de molde,
– Plano de corte para as duas larguras de tecido e versões da peça,
– Instruções de montagem do vestido, com ilustrações,
– Glossário com os termos usados para costurar esta peça.

Minhas considerações:
1. As explicações realmente são muito boas, bastante detalhadas, mas é importante você conhecer um pouco de “costurês” em inglês para entender os termos (e ao que eles correspondem em português).

2. Sobre a escolha do tamanho, foi indicado considerar as medidas de quadril, cintura e busto.
No meu caso, o quadril seria tamanho 18 (o maior de todos os disponíveis), a cintura seria tamanho 14 e o busto tamanho 12. Depois de tomadas as medidas e encontrar as correspondências, é sugerido fazer o maior deles e ajustar o que for necessário. Como o meu quadril é muito largo, isso sempre acontecia comigo, de fazer o maior tamanho de todos já que é sempre melhor sobrar tecido do que faltar, mas os ajustes acabavam sendo tantos na parte de cintura e busto que eu desanimava e até desistia de terminar a peça.

Para mim o que funcionou mesmo foi usar o método da Burda – detalhado neste livro – que indica ter a medida do busto como base para fazer vestidos, blusas e casacos. Neste caso, eu fui de tamanho 12 e aumentei o molde na região da cintura para esta parte fosse do tamanho 14. Como a saia era mais rodada, não aumentei nada nesta parte. Vi que o 12 ainda ficaria grande na parte do busto, então criei um tamanho 11, intermediário, e fiz o mesmo para a região da cintura, criando um ajuste para tamanho 13. Com isso, os ajustes foram poucos. Na verdade, só precisei diminuir os ombros em 1,5cm na frente e 1,5cm nas costas, totalizando 3cm de redução.

3. As margens de costura são de 1,5cm e já estão inclusas nos moldes.

4. Precisei tirar 9,5cm de tecido da saia antes de fazer a barra, para deixar o vestido na altura dos joelhos após finalizar com uma barra lenço. Então creio que ele pode ser de bom comprimento para pessoas mais altas (Eu tenho 1,68m de altura).

5. Se você tem alguma prática para costurar curvas, tudo bem. Caso não tenha, sugiro praticar um pouco antes de iniciar este modelo ou ir com paciência, para não correr o risco de não conseguir deixar o decote bonito ou as mangas iguaizinhas.

6. Gostei muito das dicas dadas no meio das instruções de montagem da peça como, por exemplo, algumas sugestões para unir a saia com a parte de cima. Eu usei a costura francesa e, de fato, ficou ótimo e muito bem acabado.

7. Como o projeto é americano, está tudo em polegadas e jardas, é necessário um pouco de paciência e uma calculadora por perto para fazer estas conversões antes de iniciar.

Depois: vestido Crepe pronto, esperando um dia quente para ser usado!

Quando comprada a versão PDF para impressão, tem que atentar para não usar a opção de ajuste automático de página, pois pode distorcer o molde. Para isso, existe um quadradinho de controle em uma das páginas. Você pode imprimir esta página do quadrado de controle primeiro, fazer o controle medindo o quadrado e conferindo se a medida dele bate com o indicado. Aí sim, depois imprimir o restante.

Deixo a dica pois uma vez eu mandei por email um molde para o meu irmão imprimir na casa dos meus pais e ele não viu esse detalhe. O molde era tamanho carta e o papel que tinha na casa dos meus pais era A4. Quando fui pegar com ele fui direto na página do quadrado de controle e a medida não batia (tinha virado um retângulo). Como o molde ficou distorcido, precisamos imprimir de novo e perdemos várias folhas e um tanto de tinta. Por sorte, era uma peça simples então não perdemos folhas demais, fora que eu aproveitei a parte de instruções.

Veredito final: Faria outros projetos Colette? Sim, com certeza! Apesar do preço não ser dos mais convidativos, o detalhamento das instruções e os modelos disponíveis me agradam muito!

Beijos!

Um novo armário handmade para uma nova fase
5 Anos de Blog – Apoiando as Blogueiras da Resistência!
Costuras da Semana!

Olá!

Semana com a garganta ruim emendada com uma gripe rendeu um vestido novo, olha só!

Alguns dias mais, outros menos, mas todo dia consegui mexer um pouquinho e um tecido Liberty todo e um pouco de outro Liberty viraram um vestido levinho pra quando o tempo esquentar (eu sei que o inverno já está chegando, então pode ser que demore um pouco pra eu usar).

O vestido é o modelo Crepe, da Colette Patterns e eu amei o resultado!

E o melhor é mostrar logo, pra você poder opinar também!

(Ah, graças ao marido, desta vez tem fotos de corpo inteiro para fugir da foto do “look no espelho”. Pena que já era tarde da noite e o que tinha pro momento era a luz da sala, que infelizmente não favoreceu muito…)

Ficou um vestido bem comportado e fofo!

Pontos que me chamaram atenção:
– A opção de fazer o decorte canoa ou “coração”
– o transpasse ser atrás
– o vestido ter bolsos

Já que era pra ter mais um vestido no guardarroupas, que tivesse novidades que eu nunca tivesse feito, né?!

Essa semana ainda teremos post mais detalhado sobre o molde e o processo todo, “aguarde e confie”!

E no curso de Patchwork, iniciei o segundo projeto, para aplicar a técnica do triângulo perfeito.

Por enquanto, tudo indo muito bem! Parei aqui, ó:

Em um livro só com blocos de Patchwork que comprei dia desses, vi que este desenho chama-se “Holandês Voador”, rs! Agora que tenho uma base de corte e régua em casa, os projetos de Patchwork serão mais frequentes, oba!

Vou ter prova de alemão nesta semana então terei que costurar um pouquinho menos para poder estudar, mas vai ter novidade semana que vem, pode deixar!

Falando em novidade, fiz mais duas páginas para destacar alguns assuntos: “Livros” para agrupar as informações dos livros que aparecerem aqui a cada mês e “Armarinhos” que vou atualizar à medida que conhecer novos lugares legais!

Beijos e ótima semana!

Voltei a dar aulas! Primeira parada: Sesc Ipiranga
Um novo armário handmade para uma nova fase
Katia Linden
Sou de São Paulo, publicitária de formação e várias outras coisas por admiração e escolha própria: tatuada, amante de música, viciada em Grey's Anatomy e Game of Thrones, esposa, dona de casa, costureira, modelista, consultora de estilo e (também, ufa) autora deste blog.
Sobre o Blog ⟩
Newsletter

Assine a minha newsletter e receba novidades exclusivas por e-mail!

Insira apenas letras e espaços. Min. 2 caracteres.
Insira apenas letras e espaços. Min. 2 caracteres.
Email inválido.
Insira apenas letras e espaços. Min. 2 caracteres. (Obrigatório!)
keyboard_arrow_right
close
Vencendo a minha maior resistência: vender!
Sobre Florescer em Pleno Inverno