Costuras da Semana!

Olá!

Como promessa é dívida, nessa semana que passou teve costura nova e costura concluída, oba!

Bom, enquanto o vestido verde e as blusas minha e da Ana não estiverem terminados, nem vou tocar mais no assunto dessas peças (rs), pra deixar a repetição de lado, ok?

Eu estou com a garganta doendo bastante desde 5a feira e isso às vezes desanima um pouco a fazer as coisas de sempre… Hoje especialmente está pior que nos outros dias, ai credo! Não sei se com você é assim, mas nesses dias em que estou meio “nhé” é que eu aproveito pra fazer alguma coisa diferente, pro tempo passar mais rápido e pra esquecer do mal estar…

Acabei não indo no Bazar da Praça nem na exposição do Frei Caneca por conta disso. Então eu resolvi desengavetar um dos moldes parados aqui em casa e um tecido bem lindo, pra animar de fazer rapidinho e poder usar logo!

O projeto escolhido é o vestido Crepe, da Colette Patterns, que eu comprei em janeiro (que coisa feia, Katia!) e um tecido lindo da Liberty de sakuras com o fundo pink e vermelho. Já que eu tenho um monte de vestidos, eu fiz a variação do modelo que tem o decote em forma de coração, pois não tenho nenhuma peça assim e a faixa de outro tecido. O legal é que este é um vestido transpassado, só que nas costas!

Na verdade eu queria fazer a faixa do mesmo tecido, mas não tinha suficiente. Os 3 metros de tecido guardados desde o ano passado (que coisa feia, de novo, Katia!) já viraram um tanto de retalhos! Então tirei as faixas para amarrar de outro tecido Liberty, já que as cores coordenavam.

Dupla de Liberty “entrando na faca”, rs!

Pena que eu não consegui terminar para colocar a foto do vestido lindo e prontinho ainda neste post, mas falta pouco, juro!

Por enquanto, deixo o detalhe do decote de coração, pode ser?

Muito amor!

E o meu primeiro projeto do curso de Patchwork ficou pronto. Eu amei a minha bolsa e todo o processo de fazê-la! Já virou a bolsa que vou levar para o curso, assim como já fazem as minhas colegas do mesmo horário!

Xodó em forma de Patchwork

O quilting à mão que eu fiz enquanto via o filme Colcha de Retalhos (post aqui), o forro de bolinhas que ficou mais aparecido com a bordinha que deixei propositalmente à mostra para combinar com as alças pespontadas na minha Velhinha, achei que tudo ornou tão bem!

Sem dó de usar a linha vintage recém chegada em casa!

O pesponto da Velhinha é imbatível!

Pra poder mostrar melhor os detalhes da bolsa.

Estou super animada para o próximo projeto, que será uma dupla de jogos americanos com bolsinho para os talheres. Os tecidos já estão escolhidos e agora vou aprender a montar blocos com triângulos!

Nada como uma desacelerada na marra para fazer a gente costurar coisas diferentes, né?
Ah, e o blog completou 2 meses no sábado! Estou muito feliz pela resposta positiva que tenho recebido. Obrigada, o carinho vindo de cada pessoa só me anima ainda mais!

Beijos e ótima semana!

Meus 11 anos de costuras – um giro por 2019 (parte 1)
Lendo Bell Hooks: “Ensinando a Transgredir – A Educação como Prática da Liberdade”
Colcha de Retalhos – um filme e uma vontade

Na aula de Patchwork da semana passada, eu comentei com a Tatiana e com a dona Lucia, as queridas que dão o curso, que eu quero muito fazer uma colcha de Patchwork para a minha casa. Sempre achei lindo, mas nunca imaginei que um dia seria capaz de fazer uma.

A dona Lucia comentou comigo que elas estão pensando em organizar um “retiro costurístico” num lugar bem legal, fora do Ateliê, em que as pessoas interessadas em fazer colchas se reunissem e ajudassem umas as outras a fazerem seus projetos, provavelmente levando dois finais de semana. Eu amei a ideia e já me dispus a fazer parte. Estou torcendo muito para dar certo!

Na hora veio à mente um filme que assisti muitas, mas muitas vezes mesmo: “Colcha de Retalhos” de 1995. A sinopse é essa:

“Enquanto elabora sua tese e se prepara para se casar Finn Dodd (Wynona Ryder), uma jovem mulher, vai morar na casa da sua avó (Ellen Burstyn). Lá estão várias amigas da família, que preparam uma elaborada colcha de retalhos como presente de casamento. Enquanto o trabalho é feito ela ouve o relato de paixões e envolvimentos, nem sempre moralmente aprováveis mas repletos de sentimentos, que estas mulheres tiveram. Neste meio tempo ela se sente atraída por um desconhecido, criando dúvidas no seu coração que precisam ser esclarecidas.”

Esse filme passou no Telecine em 1996 ou 1997 e eu assisti muitas vezes. Sempre que eu zapeava pelos canais e ele estivesse passando, eu assistia. Foi paixão à primeira assistida. Cheguei a gravar em uma fita de vídeo (#katiavelha, rs!), assisti muitas vezes depois que saiu da grade de programação da TV, mas um dia meu irmão gravou alguma outra coisa por cima sem querer… Eu resolvi ir atrás do filme neste final de semana e encontrei para alugar numa 2001 (sempre me salvando nessas horas! – Nota: a 2001 Video não possui mais lojas para locação de filmes, infelizmente).

As mulheres que se reúnem sempre para costurar colchas juntas se conhecem há muito tempo e vão contando suas histórias de amor para a protagonista do filme, Finn (interpretada pela Winona Rider) que foi pedida em casamento e está na casa da tia-avó para colocar seu projeto de mestrado em ordem e acaba passando por um momento de dúvidas em relação ao amor.

A colcha que as mulheres costuram durante o filme é para Finn, será um presente de casamento para ela. O mais legal é que cada mulher é responsável por construir um bloco que vai compor a colcha e eles refletem suas respectivas histórias de amor, já que o tema da peça é “Onde Mora o Amor”.

O filme tem uma trilha instrumental bem legal, as roupas e a estética dos anos 90 que eu amo (e que vivi na minha adolescência, o que hoje em dia dá uma certa nostalgia), os flashbacks são ótimos e todo o ambiente de uma cidade pequena, florida e ensolarada da Califórnia também (hummm, o cestinho com morangos… ok, sem contar mais detalhes!)

Não achei o DVD para comprar, mas encontrei a opção de alugar ou comprar o filme pelo iTunes.

Aqui tem um trailer, sem legendas infelizmente. Mas dá para ver bem toda essa beleza de um filme dos anos 90 com a Winona!

Interessante é perceber que um filme que adorei tanto quando era mais nova ficou guardadinho num cantinho da memória pra ser relembrado agora, com o meu amor pela costura e com a descoberta do Patchwork. Felizmente não estou numa fase de dúvidas como a Finn, mas ainda assim foi uma delícia rever o filme depois de tantos anos, desta vez na minha casinha, com um café quentinho, um cobertor e o cachorro mais velho esquentando os meus pés. Aproveitei o fim de tarde “temático” de ontem para fazer o quilt à mão do projeto da minha bolsa em patchwork.

Adorei notar a máquina de costura, materiais e colchas e almofadas com carinha de feitos em casa que aparecem nas cenas. E sim, como já deve dar para perceber, eu continuo adorando o filme!

No fim das contas, terminei de assistir pensando em como as coisas são conectadas em nossa vida, como tantas coisas demonstram nossa personalidade e nossa história. Pensei também no que eu estarei contando sobre a vida e o amor quando eu estiver com a idade das mulheres do filme.

Deixo duas citações do filme pra encerrar este post:

“Jovens amantes buscam a perfeição. Antigos amantes aprendem juntos a arte de costurar pedaços e de ver a beleza em uma multiplicidade de retalhos.”

(Finn – lendo um poema que a alma gêmea de Marianna deixou para ela)

“Como Ana disse, para fazer uma colcha, deve escolher os retalhos com cuidado. Se escolher bem, dará destaque à obra, se escolher mal, as cores ficam sem vida e tiram sua beleza. Não há regras a serem seguidas. Deve-se seguir o instinto e ser corajosa.”

(Finn – frases finais do filme)

Se você assistir me conta?
Beijos!

OBS: Post atualizado em 14/03/16, com links para assistir e do trailler atualizados. Consegui comprar um DVD deste filme quando fui para San Francisco, o único “porém” é não ter legendas em português.

Meus 11 anos de costuras – um giro por 2019 (parte 1)
Lendo Bell Hooks: “Ensinando a Transgredir – A Educação como Prática da Liberdade”
Costuras da Semana!

Olá!

Não tenho muita novidade desta semana que passou, mas ainda sim vou manter vocês informados para não perder o costume!

Na aula de costura, meu vestido verde começou a receber os acabamentos, como o overloque nas beiras. Além de ser fácil de fazer, é muito gostoso e chega a ser terapêutico, ainda mais ouvindo Frank Sinatra! Só quem tem uma máquina de overloque ou já usou uma consegue entender, rs!

O decote está terminado e o zíper invisível já está colocado.

Overloque lindo e terapêutico!

Na aula de amanhã vou trabalhar as mangas, encaixar o forro e fazer a barra. Aí estará pronto, não vejo a hora!

Passei a considerar seriamente comprar uma máquina de overloque. O problema é o espaço que está cada vez mais escasso no meu quartinho… O que vocês acham? Tem alguma boa para indicar?

O próximo projeto será ajustar um vestido que comprei pela internet no ano passado. Nunca usei por ter ficado grande demais e comprido demais. A vantagem de ajustar agora é que eu estou menos gordinha do que na época que comprei, rs!

Em casa não consegui chegar perto da minha máquina, mas foi por uma boa causa… No feriado da 4a feira fui com o marido, sogra e cunhado no Leroy Merlin para que eles comprassem alguns materiais para uma reforma que estão fazendo na casa deles… Enquanto isso, fui atrás de várias coisas que estava precisando comprar para a minha casa, principalmente para o quartinho de costura. Voltei com algumas caixas plásticas rígidas (combinando com as que eu já tinha) algumas bandejas e itens da parte de elétrica.

As caixas e bandejas já foram colocadas em uso, organizando melhor tudo o que ficava na parte de baixo da mesa de corte e também as linhas, que ficavam em lugares separados. Ainda tenho muito o que arrumar no quartinho, mas para não parar de vez com as costuras, vou deixar a próxima tarde de 6a feira livre para isto, depois do curso de Patchwork (fiz isto nesta semana que passou e foi muito produtivo!)

Caixas arrumadinhas e etiquetadas! Deu trabalho mas ficou bom!

Na aula de Patchwork, terminei de unir o meu primeiro bloco (virou meu xodó) e parti para a produção da bolsa. Levei vários tecidos que eu tinha em casa para escolher na hora qual usar e acabei ficando com o jeans comprado para uma saia, mas que sobrou bastante e o forro de bolinhas. O bloco terá um quilt à mão, que eu já comecei a fazer pra dar um toque decorativo.

Na próxima aula a bolsa ficará pronta e iniciarei o projeto seguinte: um par de jogo americano com bolsinho para colocar os talheres. Os tecidos já estão escolhidos!

Instagram do intervalo da aula de Patch: bloco pronto, com borda em jeans, seguindo para a produção da bolsa!

A minha blusa e da Ana ficou parada, mas nesta semana já combinamos de continuar, oba!

Ah, mais uma orquídea nasceu lá na janela do quartinho, estou ficando mal acostumada!

E no sábado eu fui no Bazar Ó Gente. Comprei coisas lindas para a casa e para o meu quartinho. À medida que eu for colocando nos respectivos lugares, vou mostrando aqui no blog.

O xodó das compras foram itens fofos de Armarinhos Vintage, como botões, linhas, rendas que eu escolhi e as meninas do Superziper montaram uma caixinha fofa pra mim. Dentro também têm as edições do Maruzine que elas produzem e que eu ainda não tinha. Tudo uma graça!

Armarinhos Vintage do Superziper: queria levar tudooo!

Meu kit de Armarinho Vintage.

Estou vendo que os posts de costura da semana andam meio repetitivos, já que tudo tem andado um pouco devagar, mas logo menos vou engatar projetos novinhos, prometo!

E alguns posts inspirados virão nesta semana, aguarde!

Beijos e ótima semana!

Meus 11 anos de costuras – um giro por 2019 (parte 1)
Lendo Bell Hooks: “Ensinando a Transgredir – A Educação como Prática da Liberdade”
Katia Linden
Sou de São Paulo, publicitária de formação e várias outras coisas por admiração e escolha própria: feminista, mãe de cachorros, tatuada, amante de música, viciada em Grey's Anatomy, costureira, modelista, consultora de estilo e (também, ufa) autora deste blog.
Sobre o Blog ⟩
Newsletter

Assine a minha newsletter e receba novidades exclusivas por e-mail!

Insira apenas letras e espaços. Min. 2 caracteres.
Insira apenas letras e espaços. Min. 2 caracteres.
Email inválido.
Insira apenas letras e espaços. Min. 2 caracteres. (Obrigatório!)
keyboard_arrow_right
close
Um manifesto para 2022
Vencendo a minha maior resistência: vender!