Dark, a compreensão da passagem do tempo e um gorro de tricô

Quando a primeira temporada de Dark estreou na Netflix, em dezembro de 2017, eu estava eufórica: tinha feito uma viagem para Londres com direito a show do Queens of the Stone Age, tinha feito consultoria de estilo, tinha trocado o portão de casa, tinha iniciado uma reforma na sala. Um monte de coisa legal acontecendo em sequência. Eu estava totalmente imersa em uma euforia:

Eu estava num momento de “se melhorar estraga”, sabe? Estava na terapia há alguns meses, quase terminando o DecolaLab (que abriu meus olhos pra tanta coisa, inclusive para fazer terapia). Meu negócio finalmente iria ganhar o mundo. E aí uma série alemã cabeçuda veio pra me fazer pensar sobre o tempo. Amei. Naquela época, estava costurando novas roupas alinhadas com o que eu realmente queria mostrar de mim para o mundo. Tudo parecia estar se alinhando como nunca na minha vida. A euforia durou até o começo de maio de 2018, depois de ter ficado com uma sala nova bem linda, uma viagem para o Uruguai, um Carnaval no Rio com direito a desfile no Salgueiro e uma viagem para a Alemanha.

O grande problema de viver em euforia é que, quando ela passa, o tombo é grande. E eu me vi sem chão a partir de maio. Em junho, perdi meu pai em poucos dias. Pouco tempo depois, me separei. Me vi consumida por luto, solidão, depressão e ansiedade. O meu mundo como eu conhecia e tinha como certo simplesmente tinha ruído. E eu me senti incapaz de fazer algo por mim mesma por alguns meses. Arranjei um tico de força em agosto para lançar a minha marca (post aqui) e em outubro eu voltei a trabalhar (contei aqui) e fui viver uma nova vida. Um dia de cada vez.

Pula para a estreia da segunda temporada: junho de 2019. Um ano depois, já tinha afundado tudo o que eu tinha para afundar e eu já tinha sobrevivido à pior fase, eu estava bem melhor. Bem resolvida em vários aspectos. Só que eu sou ruim de lembrar várias datas mas outras parecem que estão grudadas na minha mente e a lembrança delas me fizeram ficar deprimida de novo por uns meses. Lembro de tentar assistir a segunda temporada de Dark e de não conseguir me concentrar. E estava com dificuldade em me concentrar em qualquer coisa, na verdade. Deixei de lado.

Aos poucos fui ficando bem, mais uma vez, celebrando as minhas conquistas e lidando melhor com a saudade do meu pai. O tempo… aaahh, sempre o tempo… estava me ajudando a entender tudo com mais clareza.

Mais um salto e chegamos às vésperas da estreia da terceira temporada. Em maio de 2020, vivemos em uma pandemia. Muitos planos e sonhos meus foram interrompidos ou adiados. Saudade da vida na rua, dos abraços e beijos das pessoas, saudade da minha casa cheia de gente, saudade de não ver as pessoas só através de telas. Os eventos mais marcantes da minha vida completaram dois anos. Já não choro mais por eles. Choro de saudade do carnaval, de saudade de viajar, de saudade dos domingos na casa da minha mãe e de saudade dos rolês aleatórios da vida.

Depois de 2018, não me lembro de ter vivido mais em estado de euforia e o tempo todo fui procurando fazer as pazes com o meu passado. Nunca estive tanto tempo com os pés no chão. Chega a ser até irritante para uma sagitariana, hahaha.

Um novo gorro de tricô e Dark

No final de maio resolvi assistir a primeira temporada de Dark de novo, finalmente ver a segunda para estar preparada pra terceira. Com direito a ver vídeos de análises, resumos e teorias (sou dessas, rs). E, a cada temporada assistida, vieram as lembranças de como a vida estava nas suas respectivas épocas.

Hoje em dia eu não consigo assistir nem meia hora de algo sem dormir. Pode ser a coisa mais legal do mundo, eu durmo. Então, para maratonar uma série, só com um projeto nas mãos. Nesse processo de recomeçar meu ateliê, estou olhando todos os materiais que eu tenho para poder dar um destino para eles. Aí lembrei que o meu gorro colorido, tricotado no eufórico ano de 2017, foi repassado para a minha mãe no ano passado, naqueles dias mega frios de julho, pois eu sei que ela gosta tanto de cores quanto eu e iria aproveitá-lo bem.

Achei mais novelos da mesma lã, cada um em uma cor. Já não sei bem por que os comprei nem quando (como muita coisa que tenho achado na arrumação). Resolvi fazer um gorro novo para mim, assim teria companhia para maratonar a minha série querida e para me reconciliar com as lembranças do passado que contei no começo do post.

Quando terminei de rever a primeira temporada, o gorro estava pronto. Com direito a pompom porque sim, rs. Este gorro tem mais tons rosados que o primeiro e eu acho que combinou bem com o que eu gosto de usar hoje em dia. E, quem sabe no inverno 2021, eu e a minha mãe sairemos juntinhas por aí com gorros parecidos, né?!

Eu amo as cores no desenrolar desses novelinhos!

Usei um novelo inteiro da lã Lanafil (Pagliaccio – 53% lã e 47% acrílico) na cor mais rosada e e terminei usando um pouco da cor parecida com a mesma do primeiro gorro. Usei agulhas 5,5mm e cabo de 60cm.

Fui até a sacada de casa admirar o por do sol (faço isso sempre que dá) e aproveitei a luz perfeita do horário para fotografar. Sem maquiagem, na base da selfie mesmo e de pijama. Eu estava em paz. Nem todos os dias são assim tranquilos, apesar de eu achar difícil alguém viver em euforia em tempos como agora.

Com as outras lãs iguais que encontrei, mais os restinhos das últimas blusas de tricô, fiz mais gorros. Quero ver a energia circular, quero encontrar novas possibilidades. Fazer as máscaras de tecido acabou sendo bom nesse sentido, fazer os gorros também. Depois eu conto mais sobre o destino deles.

Depois dos gorros, comecei a tricotar um presente. Não posso dar spoiler dele pois quero fazer surpresa. Mas foi assim que terminei de assistir Dark, fazendo um presente. Ele segue como minha companhia no escasso tempo para ver TV e tem sido bom. Vou tricotando e colocando bons pensamentos para quem vai receber esse presente. Sempre faço isso, para fazer o meu amor chegar através de cada pontinho.

Fico imaginando como vai ser quando eu puder colocar o gorro novo em uma mala e aí viajar, como eu fiz com o primeiro. Como vai ser bom poder criar novas lembranças pós pandemia. Enquanto esse tempo não chega, sigo criando memórias de uma quarentena sem fim através destes posts. Obrigada por acompanhar!

Look do Dia: Um vestido de paetês para saudar 2020 e brilhar na quarentena
Costuras na Quarentena, Máscaras de Tecido e Recomeço do Ateliê
Uma almofada de crochê com restinhos de fios de outros projetos

Estamos chegando ao final de maio. A passagem do tempo segue muito estranha. O que eu tenho feito aos finais de semana é descansar, sem alarme para acordar, fazer meus crafts o tanto de tempo que der vontade, ver TV agarrada com meus cachorros. Determinar o que são os dias úteis e o que é o fim de semana faz com que eu me perca menos.

Eu resolvi nos últimos dias não iniciar nenhum projeto novo enquanto eu não terminar outros que estão começados. A fila segue andando por aqui e isso é bom. A sensação de fazer algo e terminar é sempre muito boa e tenho me agarrado a ela nesses tempos de isolamento.

Maio está sendo bem difícil para mim em termos de estar sem contato físico com ninguém há tempos. O jeito foi colocar a atenção em outras coisas para não pirar. Também desconto nos meus cachorros, que felizmente são muito carinhosos e que agora querem ficar grudados por estar mais friozinho.

Almofada de Crochê

Quando eu fiz a manta de crochê para a Regina, eu amei tanto a combinação do ponto com o fio que usei que queria algo do tipo para mim também, rs. Mas não faria uma manta igual pois já tenho algumas na minha casa. Resolvi então fazer uma capa de almofada com o fio que restou do projeto.

Eu comecei a fazer logo em seguida da manta e logo vi que o fio não seria suficiente. Também vi que tinha feito muito estreito. Deixei guardado este projetinho lindo enquanto fazia a blusa listrada de tricô pois o fio era o mesmo, só mudava a cor. Quem sabe aí não sobraria o fio que eu precisava para terminar, né?!

E foi o que aconteceu. Sobrou um pouco do último novelo da minha blusa, em tons mais frios e também com bastante cinza. Desmanchei o que eu tinha feito e fui mesclando os restinhos do primeiro projeto com os restinhos do segundo. Também acertei o tamanho. A companhia dos cachorros é sempre boa quando estou fazendo crochê e, mais uma vez, dividi o espaço com a Leia, rs.

(Clique em uma das fotos da galeria para ver em tela cheia!)

Como eu sempre conto, fazer crochê é algo muito viciante para mim e também é um dos crafts que eu faço mais rápido. Em poucos dias eu tinha refeito a peça. Aí marquei uma aula online com a minha querida professora Solange para entender como finalizá-la.

Algumas carreiras de ponto baixo em cada ponta, aplicação do zíper invisível à mão, união das laterais e a capa estava pronta, que alegria! Ela vai ficar na minha sala de TV, que agora também é meu local de trabalho, como contei no post sobre o bordado que fiz e coloquei na parede deste cômodo. Por enquanto está guardada pois quero fazer as outras almofadas primeiro e colocar todas de uma vez (e aí vai ter tour, prometo!).

Dia de fazer acabamentos é sempre um dia bom!

Usei um novelo inteiro e mais um pouco que tinha sobrado do fio Magicpull (da Círculo, 100% acrílico) na cor 8653, que varia entre rosas, um tom de laranja e um mais cereja e terminei a almofada alternando o fio na cor 8668 que mescla dois tons de rosa e três tons de cinza. Usei agulha 4,5mm de crochê para tecer a peça toda. Apliquei com costura à mão um zíper invisível cinza também.

As cores conversam bem com o que eu quero pra essa sala: tons de rosa e cinza e um laranja para ter um ponto de cor diferente da cartela e ser um destaque no sofá.

Comemorei a almofada pronta com um chá da tarde na sacada de casa, com biscoitos feitos pela minha mãe e English Breakfest com leite (tomo praticamente todo dia, provavelmente será uma das minhas recordações da quarentena também). Ter uma área externa para poder olhar o céu, curtir o por do sol e ainda me sentir segura é um grande privilégio que eu tenho aproveitado muito.

(Clique em uma das fotos da galeria para ver em tela cheia!)

E assim os projetos vão sendo terminados, trazendo vida e aconchego para a minha casinha!

Uma manta de crochê para a Regina
Look do Dia: um tricô listrado (em topdown) para o inverno!
Um bordado de flores para uma nova sala

Eu levei um tempo para me apropriar da minha casa como sendo apenas minha. A princípio eu só tirei as coisas que não me pertenciam ou lembranças que me deixavam triste. Depois eu comecei a mudar uma coisinha “aqui e ali” e tomar como meu tudo o que eu gostava e queria que ficasse na casa.

Agora, na quarentena, ficando aqui por dias e dias seguidos, vejo mais coisas que quero mudar. Algumas para ressignificar os espaços, outras porque o meu gosto mudou mesmo.

Na verdade, a primeira pequena-grande revolução foi reformar em 2019 a sala de TV, que nada mais é do que um dos quartos da casa. Ela fica em uma posição que eu considero bem privilegiada, pois é o cômodo que acessa a sacada através de uma porta, sendo então a parte mais iluminada dentro da casa. Esta sala é a parte que mais mudou por aqui recentemente e eu fico feliz de colocar muito de mim nesse espaço.

Na quarentena é onde fico a maioria do tempo, seja pela TV que me acompanha durante o tricô, crochê ou bordado ou por ser onde a internet é mais rápida por conta do roteador ficar nela, além da iluminação boa o dia todo (investi nisso também na reforma para que fique iluminado na medida certa também quando anoitece).

Mas como este cômodo ainda está em transformação através de alguns projetos que estou fazendo (ou seja, em algum momento vai ter tour sim, como eu fiz com a sala nova em 2018), hoje eu vou mostrar apenas o primeiro bordado que fiz na quarentena e que agora enfeita uma das paredes.

Flores pra Você

Eu acompanho o Clube do Bordado há anos e adoro o trabalho das meninas. Fiz um curso no começo de 2018 para reaprender a bordar (eu aprendi um pouco 20 anos antes e tinha esquecido), fiz outro curso com a Renata no MAM que foi maravilhoso ao relacionar os bordados com a história da arte (alguns deles estão neste post) e estou esperando a pandemia acabar para retomar um curso que estava fazendo sobre mulheres e manualidades com a Carla Cristina Garcia e intermediado pelo Clube.

Enfim, usando os materiais que eu já tinha em casa, baixei o risco grátis que as meninas disponibilizaram e fui acompanhando a Dini toda 6a feira para bordar mais um pedacinho junto. Quis fazer assim, sem pressa, aproveitando as dicas até porque eu estava me sentindo meio enferrujada ao esquecer como começava o ponto haste ou pelo fato de não conseguir deixar o ponto cheio alinhado no começo…

(Clique em uma das fotos da galeria para ver em tela cheia!)

Em algumas semanas eu terminei e, como não tinha nenhum bastidor no tamanho ideal para usar de moldura, cortei as bordas do tecido com a tesoura de picotar para não desfiar e colei na parede com washi tape. Gostei muito de como ficou!

Uma nova parede

Este bordado enfeita a parede em que o sofá fica encostado e que recentemente ganhou prateleiras para quadros que eu fixei sozinha (a filha de marceneiros com uma furadeira na mão não quer guerra com ninguém). Por enquanto tem um quadro com um pôster que trouxe do Brooklyn e que nunca tinha sido pendurado por falta de espaço, meu livro mais precioso de costura (que, de tão grosso que pára em pé) e o novo bordado.

Spoiler da sala sendo renovada e também do próximo projeto que vai aparecer pronto no blog!

Eu acredito que, quando tudo isso passar, olharei o que estou fazendo pela minha casa com muito carinho, ao resgatar o bordado, as habilidades em deixar tudo bem cuidado e tirar algo de positivo de um tempo tão complicado!

Bordados da resiliência
Reaprendendo a bordar com o Clube do Bordado
Katia Linden
Sou de São Paulo, publicitária de formação e várias outras coisas por admiração e escolha própria: feminista, mãe de cachorros, tatuada, amante de música, viciada em Grey's Anatomy, costureira, modelista, consultora de estilo e (também, ufa) autora deste blog.
Sobre o Blog ⟩
Newsletter

Assine a minha newsletter e receba novidades exclusivas por e-mail!

Insira apenas letras e espaços. Min. 2 caracteres.
Insira apenas letras e espaços. Min. 2 caracteres.
Email inválido.
Insira apenas letras e espaços. Min. 2 caracteres. (Obrigatório!)
keyboard_arrow_right
close
Vencendo a minha maior resistência: vender!
Sobre Florescer em Pleno Inverno