Sobre Florescer em Pleno Inverno

Tem pouco mais de dois meses que não apareço por aqui. Tanta coisa aconteceu em aparentemente tão pouco tempo. Quem me acompanha em outros canais (principalmente no Instagram e na newsletter) já sabe que o meu pai faleceu em junho. Outras dificuldades também apareceram e eu fiquei quietinha por um tempo.

Em algum momento eu vou colocar os assuntos do blog em dia, como ter participado de um bate papo maravilhoso no stand da Burda na Mega Artesanal com mulheres maravilhosas deste nosso mundo costurístico. Esse evento me fez lembrar de como é bom estar em contato de novo com o meu propósito após uma pausa necessária. Então agora chegou a hora de contar novidades e um tiquinho de história, rs.  

 

Quando eu resolvi voltar a trabalhar no ano passado, eu me sentia muito perdida. Então, me propus a mergulhar de cabeça nos traumas do meu passado. Fiz o Decola Lab e comecei a fazer terapia. Precisava destravar, ainda que tivesse aberto minha cabeça para muitos novos conhecimentos e habilidades nos últimos anos. Aprendi a costurar, tricotar, retomei o crochê e o bordado, me formei modelista e consultora de estilo. Eu tive o privilégio de poder flanar por alguns anos por entre os crafts e pelos estudos, sem grandes compromissos. Fui contando por aqui inclusive, mas não sabia o que fazer com tudo isso. 

Só depois de abrir a caixinha das minhas memórias e mexer nela até chegar ao fundo é que consegui por fim me reconhecer como uma pessoa criativamultipotencial e capaz (xô síndrome de impostora!) e as mudanças e (r)evoluções foram maiores do que eu pensei.  

Florescendo 

Hoje sou uma pessoa que sente que finalmente está florescendo para o mundo, aos 38 anos. E que bom que isso está acontecendo agora. Não sei se suportaria as dificuldades que estou passando se eu não me sentisse tão forte internamente tão completa como me sinto agora. Ainda estou triste e frágil em alguns momentos sim, mas não me sinto menos capaz de viver minha vida. 

Esse florescimento fez com que eu passasse também a amar o meu corpo do jeito que ele é, parei de achar defeitos e “poréns” nele, tão enraizados em nossa cultura que transforma a baixa auto estima em potencial de consumo para coisas que não precisamos. Passei a me amar inteira.  

Passei a amar ser duplamente sagitariana (Sol e Lua em Sagitário, é muito fogo pra uma pessoa só, minha gente!). Vi que estava tudo bem abraçar de verdade as minhas convicções. Ao me amar como a mulher que eu sou, entendi o que era ser feminista, reconhecendo os meus privilégios e também amando e apoiando outras mulheres em suas singularidades. Vi que tinha novos obstáculos a vencer. 

Eu não sou de levantar bandeiras à toa. Defendo há tempos o minimalismo, a autoestima e a vida com mais significado através do feito à mão. Se hoje falo de feminismo abertamente, é porque acredito também. Precisamos nós todas florescer como mulheres, apoiando umas às outras em suas lutas. E, nessa jornada toda, fui abraçada, acolhida e levantada por mulheres incríveis a quem só tenho a agradecer e dizer que esse negócio de rivalidade por aqui não rolou não. 

 

Uma nova marca

Tinha que contar tudo isso pra dizer que o resultado desse mergulho é o nascimento de uma nova marca, com um visual que eu estou apaixonada! 

A criação foi da ilustradora Amanda Mol, mulher maravilhosa que captou direitinho o que eu quero transmitir: leveza, autenticidade e força ao mesmo tempo.  

E já que a assinatura é vida – estilo – handmade, eu quis tornar tudo isso mais tangível, transformando em um bordado, assim como eu fiz há um tempo atrás com o logo do blog. Fazer esse bordado com a marca nova, com a orientação especial da Renata Dania (em um curso do Clube do Bordado que fiz no MAM) foi muito importante para mim. Eu acabei me conectando ainda mais.

  

Fiz um vídeo com o desenrolar do bordado, feito com muito amor e com um desafio grande de fazer aquarela em tecido pela primeira vez e também de deixar o ponto matiz bem alinhadinho e formando um discreto degradê! Amei o resultado! 

Uma homenagem a meu pai

Eu demorei muito para colocar o projeto no ar pois eu mesma me boicotava, sendo levada por uma sensação de conforto que agora vejo que era irreal. De qualquer forma, sempre entendi que o projeto era uma forma de expressão pessoal mas que podia contribuir positivamente na vida de outras mulheres e que todas nós somos únicas. 

Hoje, apresentar a marca nova e ter feito um bordado com ela me faz entender que também faz parte do meu processo de cura, já que tem meu nome e o sobrenome do meu pai, que sei que todos os dias manda uma luzinha toda especial lá de cima para mim, para minha mãe e meu irmão.  

A post shared by Katia Linden (@katialinden) on

Meu pai Heinrich ganhou a vida através da marcenaria, fazendo lindas peças, uma a uma e com perfeição, sempre será uma referência para mim. Espero assim estar levando adiante o nome de nossa família com a mesma dedicação e empenho que ele sempre teve. Trago comigo todos os dias a lembrança do sorriso fácil e da leveza dele diante da vida, sei que meu pai quer que eu tenha muita vida pela frente e que esta vida seja abundante em todos os sentidos. E para que isso aconteça, é hora de dar este primeiro passo. Que bom que o dia de hoje chegou. 

 

Antes mesmo da primavera chegar, o inverno aqui é de florescimento! Vamos florescer juntas? 

Me conta o que achou? 

Formação em Consultoria de Estilo!
Enfim, Modelista!
5 Anos de Blog – Apoiando as Blogueiras da Resistência!

Pois bem, este amado blog completou 5 anos no último domingo. A correria por aqui tem sido tanta que eu não consegui planejar a tempo uma comemoração gostosinha, como foi no ano passado.

Confesso que sempre nessa época eu reflito sobre como é ter um blog nos dias de hoje, se eu continuo ou paro, se eu devo mudar algo.

Por que eu ainda tenho um blog?

Conversando dia desses com a querida Lu Gastal, falamos que, se chegarmos ao ponto de ninguém mais ler nossos conteúdos escritos, no mínimo a gente vai ter um belo diário de nossa trajetória. Resgatar um post antigo e rever, como bem disse a Lu, é como folhear um álbum de fotos. Concordo demais.

O blog é meu diário de bordo da caminhada na costura, nas manualidades e afins e realmente eu recorro à busca dele quando quero lembrar de algum projeto passado, quando participei de um evento ou onde achei determinado tecido. Aqui também tem um bocado de reflexões minhas, que normalmente você acha na tag #escrevekatiaescreve mas hoje em dia eu tenho reservado esse tipo de texto para as minhas newsletters (olha o merchan, rs: você já assina? Se ainda não, clica aqui e receba conteúdo exclusivo a cada duas semanas!).

Sim, as coisas foram mudando por aqui nos últimos anos. Lá atrás, nos três primeiros anos do blog, eu fazia um post de “Costuras da Semana”, com um apanhado de tudo o que eu tinha feito por aqueles dias. Ano passado virou post mensal. Hoje em dia eu deixo para mostrar o processo do que estou fazendo no meu Instagram Stories (meu insta é o @katialinden, sempre tem alguma foto de um detalhe no feed também!).

Outros blogs que começaram como pessoais acabaram tornando-se comerciais, uma vitrine dos produtos e serviços de quem o faz. Também acho lindo isso, não depender de ninguém para produzir seu próprio conteúdo comercial. Fora que essa é uma realidade cada vez mais presente nesse mundo do empreendedorismo criativo!

Eu optei por manter o blog pessoal, apesar de já ter pesquisado e ido atrás de alguns possíveis parceiros comerciais um tempo atrás. A possibilidade nunca está afastada. Fiz um projeto que inclui o blog e a conclusão dessa busca toda vai aparecer aqui em breve, olha o suspense!

Sim, eu ainda me surpreendo quando alguém me reconhece na rua por conta do blog ou me emociono quando alguém me conta que lê desde o começo. Tem gente que não perde um post e tem gente que já leu o blog inteirinho (aparece aqui nos comentários para todo mundo te conhecer)!

Ainda acho fundamental ter uma casinha própria na internet e não depender de algoritmos sempre mutantes das redes sociais. Também acho fundamental a gente encontrar nosso formato de fazer conteúdo e dar o melhor para ele (por exemplo, ainda tenho meus problemas com vídeos e estou me esforçando para reverter isso). Também acho que a gente não precisa estar presente em todas as plataformas, só nas que a gente se identifica e que a gente dá conta de fazer alguma coisa legal!

Obrigada!

Blogueiras da Resistência

Enfim, eu acho que ter um blog nos dias de hoje é um exercício de resistência. Com o crescimento do YouTube e de redes sociais de conteúdo mais instantâneo, muitas pessoas que começaram com um blog escolheram outras plataformas para colocarem seus conteúdos para o mundo. E tá tudo bem. Cada um tem que fazer o que mais se identifica!

Eu continuo por aqui por amar escrever e fotografar, por acreditar que a gente não pode depender de uma plataforma que não é nossa para produzir conteúdo (tá tudo bem ter canal, insta e face, mas eu não deixaria meu domínio próprio por nenhum deles). Também acredito que é legal estar presente em ferramentas que permitem buscas (Aí sim o YouTube, por ser um produto do Google, aquele que tudo encontra, leva vantagem em relação às outras redes sociais).

Terminando essa reflexão toda de porque eu continuo aqui firme e forte com um blog em pleno 2018, queria recomendar a você que está aqui acompanhando tudo isso alguns blogs que adoro, que resistem (rs) e que são escritos em português, para serem mais acessíveis a todos. São blogs que ainda levam a costura ou as manualidades como um estilo de vida, como acontece por aqui. Depois me contem o que achou e, se quiser recomendar outros nos comentários, vou amar conhecer!

Lu Gastal  (que escreveu um livro lindo e que, sem saber, deu a ideia para este post)

Ma Stump – Colacorelinha (leio há tantos anos, que nem sei quando comecei. A Má fez uma consultoria para chegarmos ao formato atual do blog, sabia?)

Andrea Risério – Arthé Criações  (amiga do coração e dos crafts)

Keiko – Keikolina (presente que o DecolaLab me deu no ano passado, foi e continuará sendo meu anjo nessa caminhada empreendedora)

Denise – Calu Histórias de Artesanato  (outro presente do DecolaLab!)

Também acompanho algumas portuguesas maravilhosas que escrevem tanto em português quanto em inglês:

Rita – The Bag of the Unexpected

Magda – House of Estrela

Constança Cabral

Então, se você que gosta de visitar meu querido bloguinho, não deixe de visitar essas outras moças maravilhosas em suas casinhas virtuais!
E muito obrigada por acompanhar essa minha jornada toda!

Como foi o Encontrinho do Blog!
3 anos de blog!
Como entendi o Minimalismo através dos meus óculos coloridos

Eu demorei um tempão para preparar este post. Quer dizer, eu escrevi este texto de uma vez só nessa semana mesmo, mas o tema do minimalismo é que não saía da minha cabeça desde julho de 2017, quando eu fiz a formação em consultoria de estilo. Faz tempo que eu queria falar sobre isso aqui.

Talvez você pense: “como é que uma pessoa de cabelo rosa, batom e óculos coloridos quer falar sobre minimalismo?”. Eu te entendo! De fato, eu não sou uma pessoa de estética minimalista. Acho lindo quando vejo nas outras pessoas, ainda mais quando combina com elas, mas eu não consigo ser assim. E tá tudo bem, né?!

Mas um acontecimento no ano passado me fez entender o minimalismo como estilo de vida.

Foto: Sharon Eve Smith

Os meus óculos amados

Na semana do curso de formação em consultoria, uma coisa muito chata aconteceu: a minha cachorrinha Leia comeu os meus óculos de grau. Quebrou em algumas partes e mastigou tudinho. Sim, aqueles óculos lindos e coloridos que me ajudam a enxergar há quase 5 anos. Depois de ter certeza de que ela não tinha engolido nenhum pedaço, eu chorei, confesso.

Eu não sou de chorar por coisas, já tive um carro bem estragado num acidente e meu choro foi de alívio por estar viva e sem um arranhão. E nem foi na hora do acidente. Mas o danadinho do par de óculos tem história desde a compra em 2013 em uma ótica de Berlin (post sobre essa viagem aqui) que só vendia óculos vintage e me acompanhou firme e forte nas minhas mudanças de cabelo, na evolução do meu estilo. Olha só:

OBS: Um viva ao Google Photos que me ajudou nessa retrospectiva!

Meus óculos coloridos e nada básicos são a minha “maquiagem postiça”, como costumo brincar. No dia a dia, eu passo no máximo um batonzinho, coloco os óculos e já me sinto linda para viver minha vida. Estes óculos mostram muito sobre mim, sobre a vida criativa, colorida e leve que procuro levar.

Na época do incidente com a cachorrinha (em julho de 2017) eu fiquei tão chateada que coloquei os destroços dos óculos num saquinho e guardei longe do meu olhar no fundo do armário. Mas eu não tinha desistido deles. Dias depois, comecei a buscar uma forma de consertá-los ou mesmo de fazer uma réplica deles. Foi aí que achei o Wilton, da Ótica Imagine, no centro de SP.

Ele disse que os meus óculos eram um dos piores que ele já tinha pego para consertar. Disse que queria tentar consertar antes de tentar fazer uma réplica deles (ele faz armações personalizadas, mas me adiantou que não ficaria igual à armação que eu tinha por algumas razões ligadas ao método de fazer essa armação personalizada).

Para quem já tinha dado os óculos como perdidos, resolvi tentar. Isso foi em agosto. Já tinha voltado a usar um dos meus óculos que eu não amava tanto só nas horas mais críticas, pois não me sentia tão bonita com eles.

Em setembro, depois de falar com o Wilson algumas vezes, sempre muito atencioso, ele me manda uma foto, os óculos estavam consertados!

Documentário sobre Minimalismo

E essa foto acima, dos óculos em vias de voltar inteiros para mim, chegou numa mensagem enquanto eu assistia na Netflix o documentário Minimalism: A Documentary About the Important Things” (traduzindo… Minimalismo: Um Documentário Sobre as Coisas Importantes).

Fonte: Site Netflix

Tem muita coisa que fez sentido para mim, mas essa frase que Josh disse me fez entender tudo:

Eu percebi que eu não precisava de outros (ou de vários) óculos de grau, eu precisava só dos meus óculos que eu amo! E aí eu vi que valia mesmo a pena ter consertado. Eu não precisava de uma armação nova.

Desde então, entendido o conceito, eu fui levando para outros aspectos da minha vida. Depois da consultoria de estilo que fiz, só tenho roupas, calçados e acessórios que eu amo.

Por isso não costuro mais para mim com tanta frequência como em alguns momentos do passado. Tem sido ótimo fazer presentes, por exemplo. Mantenho as mãos ocupadas, presenteio com algo feito com amor e não acumulo esses feitos só para mim. Consigo ir ao shopping, a uma rua de compras, uma loja de tecidos ou um armarinho sem comprar nada que eu não esteja precisando.

E, quando eu realmente desejo algo, me dou um tempo (geralmente de alguns dias) para ver se eu não esqueço mesmo. Se eu tenho certeza que eu vou amar aquele item e vou usar muito, aí eu compro (ou faço, se for o caso). E, para este item novo entrar no armário, algum que não tiver esse mesmo potencial de amor e de uso tem que sair para dar lugar.

Uma reflexão interessante que eu fiz após assistir o documentário foi que o minimalismo se fez necessário na vida de um tanto de pessoas após elas experimentarem o consumo e aí verem que não são felizes só pelas posses que acumularam. Quem não tem oportunidade de consumir avidamente normalmente não tem opção de não ser minimalista, pois as prioridades mais básicas falam primeiro.

Eu fui criada com muito menos do que tenho hoje (graças a Deus nunca faltou nada essencial para a minha família, mas em vários momentos o aperto financeiro aconteceu) e acredito que por isso eu tive uma fase “vida loka” de consumo quando pude e depois fui voltando atrás. Já joguei muito cosmético fora por não dar conta de usar, já passei adiante roupas novas e ainda com etiqueta da loja, tenho tecidos da época que comecei a costurar que nunca usei (e que hoje em dia estou procurando dar um bom destino).

Consumindo melhor

Entendo que não tem nada errado em consumir. Só que hoje em dia compro bem menos e compro melhor. Em tudo na vida. Do supermercado para abastecer a casa ao material do ateliê, passando pelas viagens e cursos que amo fazer.

Ficou mais fácil cuidar de tudo, pois não é preciso ter coisas demais para viver bem. E quanto mais coisas temos, mais trabalho vai dar para cuidar delas. Passei a pensar melhor para onde vai o dindin e o que preciso priorizar.

Se eu tenho uma calça jeans que me serve, não preciso de outra. Se tenho um bom tênis branco, não preciso de mais um. Se comprei um bom tecido para fazer uma blusa que vai casar bem com o que eu tenho no armário, não preciso sair da loja com outro tecido além dele. Não preciso de mais batons se já tenho alguns que gosto e uso bastante. Não preciso trocar de carro se a ideia é não ter mais carro em um futuro próximo. Preciso cuidar e fazer bom uso do que tenho.

Vi que as minhas escolhas recentes, inclusive profissionais, têm tudo a ver com isso. Por exemplo, ser consultora de estilo possibilita que eu leve esse estilo de vida para as outras pessoas, para que elas se vistam só com o que elas amem e sem ter que comprar tudo novo.

Essas escolhas também me deixam livre para colecionar boas lembranças da vida que levo e das pessoas ao meu redor, sem necessariamente acumular coisas que não amo ou não preciso.

Sim, meus óculos coloridos, vintage dos anos 80 e nada minimalistas na estética me ajudaram a entender o minimalismo como estilo de vida. Recomendo o documentário e também a reflexão! Se quiser comentar sobre o tema, vamos conversar nos comentários!

Minha consultoria de Estilo: a (r)evolução do meu vestir!
Documentário “The True Cost” e uma reflexão sobre o consumismo craft.
Katia Linden
Sou de São Paulo, publicitária de formação e várias outras coisas por admiração e escolha própria: tatuada, amante de música, viciada em Grey's Anatomy e Game of Thrones, esposa, dona de casa, costureira, modelista, consultora de estilo e (também, ufa) autora deste blog.
Sobre o Blog ⟩
Newsletter

Assine a minha newsletter e receba novidades exclusivas por e-mail!

Insira apenas letras e espaços. Min. 2 caracteres.
Insira apenas letras e espaços. Min. 2 caracteres.
Email inválido.
Insira apenas letras e espaços. Min. 2 caracteres. (Obrigatório!)
keyboard_arrow_right
close
Vencendo a minha maior resistência: vender!
Sobre Florescer em Pleno Inverno